Você já ouviu falar em câncer de mama em pets?

Este é um bom momento para falarmos sobre o assunto, afinal de contas, acabamos de passar pelo mês que é marcado pela campanha Outubro Rosa. Neste período, pessoas e instituições se mobilizam para compartilhar informações e reforçar a importância da realização de exames preventivos que possam aumentar as chances de cura do câncer de mama.

O câncer de mama é o tipo de tumor mais frequente em mulheres no Brasil e no mundo. Por essa razão, a campanha do Outubro Rosa se faz tão importante. Contudo, o que poucas pessoas sabem é que esse tipo de tumor também acomete cães e gatos.

E para que você não seja pego de surpresa em caso de doença no seu animalzinho de estimação, vamos trazer aqui algumas informações para que você saiba lidar melhor com o câncer de mama em pets. Confira!

Principais fatores de câncer de mama em pets

O fator genético é preponderante nos casos de câncer de mama em gatas e cadelas. Outros fatores que podem aumentar as chances de um tumor na mama do animal de estimação é o envelhecimento e fatores hormonais.

A mutação do gene BRCA1 e BRCA2 é um critério de semelhança entre as espécies que desenvolvem a doença. Porém, o teste genético, infelizmente, ainda não faz parte da rotina da medicina veterinária. Situação que pode ser mudada em um futuro breve.

Como a doença é assintomática em seu estágio inicial, a prevenção se faz bastante importante.

Como é possível prevenir o câncer de mana em pets?

A castração em animais de estimação é a principal maneira de se evitar um câncer mamário. O procedimento diminui as chances de desenvolver essa e outras doenças que colocam a saúde do pet em risco, principalmente se a castração for feita bem cedo.

Apesar deste benefício importante, uma avaliação prévia com o médico veterinário não pode ser descartada. Afinal, a castração poderá prejudicar o desenvolvimento do pet se for realizada antes do primeiro cio. Isso para não falar em outros malefícios, como incontinência urinária.

Quais as opções para diagnosticar o câncer de mama em pets rapidamente?

Quanto mais rápido diagnosticar o câncer de mama, mais chances de o tratamento ter sucesso. Uma regra básica que pode salvar vidas.

Acredite ou não, mas o carinho pode ser um bom método de diagnóstico. Aproveite os momentos de interação com seu animal de estimação para acariciar sua barriga e apalpar o seio do bichinho.

Assim, é possível identificar a possível existência de nódulos estranhos ou verificar se há secreções anormais saindo das mamas. No caso dos gatos, essa tática pode ser um pouco mais complicada, porque eles podem não gostar do toque na barriga. Mas você pode acostumá-lo com carícias mais regulares.

Também não se pode descartar as visitas regulares ao médico veterinário para consultas, exames de rotina e apalpadas periódicas também, inclusive nos animais castrados.

Outro detalhe importante que vale para animais de estimação e humanos: os machos também precisam ser examinados.

Embora isso ocorra com uma frequência bem menor, o câncer de mama também pode se desenvolver em cães e gatos machos. E quando eles são acometidos, a doença pode ser muito mais agressiva.

Quais as opções de tratamento para o pet com câncer de mama?

A cirurgia é o procedimento principal para o tratamento do câncer de mama em pets. Ela pode ser realizada para a retirada do tumor, que deve ser total, preferencialmente; ou em casos de tumor nas duas cadeias mamárias, deve ser realizada uma mastectomia em dois estágios.

A indicação de quimioterapia fica relacionada aos casos de tumores mais agressivos com indício de metástase e comprometimento dos linfonodos. Tudo dependerá da avaliação do cirurgião, o acompanhamento especializado é essencial e precisa ser feito frequentemente.

Saúde é coisa séria, tanto para os donos quanto para seus animais de estimação. Por isso é preciso estar sempre bem informado, porque a informação também é parte fundamental de um tratamento de qualidade e bem-sucedido.