Com a pandemia podemos notar certas tendências com relação ao cenário atual no universo dos pets. O isolamento social fez com que muitas pessoas adotassem um animal, pois ele pode conferir companhia e alegria em tempos de solidão e distanciamento.

De acordo com a Gerência de Vigilância Ambiental e Zoonoses, entre janeiro e setembro de 2020 o número de adoções de animais registrados foi o dobro de todo o ano anterior, quando a Covid-19 não havia chegado.

No entanto, outra tendência percebida pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária nos últimos meses, é o aumento do número de animais abandonados. Muito disso poderia ser evitado se as pessoas tivessem mais consciência das responsabilidades que existem ao adotar um animal.

Muitas aquisições de cães e gatos ocorrem por impulso, comoção e até modismo. Há pessoas que adotaram com a intenção de ter companhia no período de isolamento, mas com o tempo chegaram à conclusão de que não querem pets, pois eles requerem cuidados e geram custos. Isso é às vezes inviável para quem tem uma renda mais apertada.

O problema econômico é um dos principais motivos apontados para o abandono. Com a chegada da Covid-19 e o aumento do desemprego, muitas pessoas tiveram dificuldades em manter seus animais e acabaram optando pelo abandono.

É claro que nenhuma desculpa justifica esse abandono. Portanto, antes de adotar é importante frisar que ter um animal em casa dá trabalho e requer atenção e gastos.

A recomendação é que aqueles que pretendem adotar amadureçam a ideia, levando em conta que o animal viverá por cerca de 10 anos. Ou seja, é toda uma relação de longo prazo. Além do afeto, o animal precisará de alimentação adequada, visitas regulares ao veterinário, vacinas, vermífugos, e sobretudo paciência na hora de ensinar.

Feita as devidas ressalvas, vamos para o lado bom. Adotar um animal com certeza garantirá boas memórias e uma plena satisfação afetiva.

Lembre-se: opte por adotar em vez de comprar.  Adotar é um gesto de amor e respeito aos animais, inserido na lógica de que não se deve vender seres, tornando-os mercadorias e comercializando afeto.

Além disso, de acordo com o Instituto Pet Brasil, 170 mil animais estão sob o cuidado de ONGs que atuam na proteção dos animais. Quanto aos animais de rua, eles chegam a 30 milhões de animais no Brasil, segundo a Organização Mundial da Saúde.

São exatamente esses animais abandonados que estão mais vulneráveis a maus-tratos, fome e frio. Ao adotar, você contribuirá para a redução da taxa de abandonados e ajudando a diminuir essa situação alarmante. Além disso, quando você adota, você confere uma nova chance de vida mais feliz para um animalzinho.

Continue lendo para saber mais dos benefícios da adoção de um pet.

1-    Companhia garantida

Não é à toa que cachorros são conhecidos como fiéis amigos. Eles são ótimos companheiros domésticos, entretêm crianças e se tornam verdadeiros integrantes da família.

Gatos podem ser considerados desconfiados à primeira instância, mas uma vez que se sentem acomodados e seguros, eles mantêm uma fidelidade eterna.

Pets que são adotados após o abandono tendem, depois de conquistada sua confiança, a ser um dos animais mais carinhosos com o dono, desenvolvendo grande senso de gratidão.

2-    Receber alertas de perigo

Animais, por instinto, percebem facilmente situação atípicas e de perigo. Orelhas e rabo eriçam. Gatos ficam próximos ao dono e mudam seu comportamento. Cachorros latem insistentemente.

Há muitos relatos, de donos que foram alertados por seus animais em caso de situações perigosas como um incêndio ou aproximação de pessoas esquisitas, muito antes do que o ser humano poderia perceber. Cuidadores podem ser avisados, antes que o pior aconteça.

3-    Estímulo à sociabilidade

Estudos comprovam que um animal faz com que o dono fique mais ativo, saia de casa e conviva com mais pessoas. Além disso, as trocas com o próprio animal, faz com que o dono fique mais sensível e empático. Se você é antissocial, um pet pode ajudá-lo a superar esse obstáculo.

Animais são ótimos aliados também a crianças e idosos mais inibidos. Tanto é que pets passaram a ser utilizados na terapia de pacientes idosos com depressão, alcançado melhoria significativa em seus quadros.

4-    Melhoria na saúde e diminuição do estresse

Segundo publicação do British Journal da Royal Society of Medicine, quem tem um bicho em casa reclama menos de pequenos problemas de saúde, por isso, é mais feliz.

Já estudos da Universidade de Virginia apontam que a convivência com animais diminui estresse e ansiedade. Além disso, devido à melhoria no bem-estar, a saúde física é influenciada de modo que a pressão arterial diminui. Assim o dono possui menor risco de infarto e ataque cardíaco.

5-    Desenvolvimento de senso de responsabilidade

Ter um pet, nos faz estar sempre atentos às necessidades de um ser que precisa de cuidados. Ao adotar um animal, o constante cuidado com água, alimentação, atividades e higiene, faz com que o cuidador desenvolva noções de responsabilidade e empatia. Esses valores são levados e podem se aplicar não só nessa relação dono-pet, mas também para todos os campos de sua vida.

6-    Adaptação

Quando se adota o animal a partir de uma ONG, esta realiza um questionário para entender o perfil do dono e assim, sugerir o pet que melhor se adapta ao novo lar, de acordo com sua personalidade e com as características da família.

Como a ONG recebe animais adultos e os cuidam por um tempo, ela já tem uma melhor percepção do comportamento e temperamento de cada animalzinho. Assim, ela pode sugerir o que melhor se adapta à vida do dono.

Além disso, ao adotar o animal você estará ajudando tais ONGs, geralmente superlotadas, a continuarem seu trabalho de resgate.

7-    Não estimula comércio explorador

Quando você não compra animais ditos de raça, você deixa de fomentar esse mercado de criadores que visam apenas o lucro.

Geralmente, para a comercialização, as cachorrinhas ou gatinhas, são tratadas como mera incubadoras e depois descartadas. Além disso, os animais ficam expostos a más condições visando apenas a alta proliferação e maior lucro.

Ao adotar você ensina seu filho que amor não se compra ou se vende. E eles se conscientizam sobre a situação de abandono e maus-tratos dos animais de modo geral.

Depois de todos esses pontos, só vale reiterar que adotar é um ato de responsabilidade e sobretudo de amor incondicional. Acolher um bichinho para que se sinta seguro, quando ele poderia estar na rua, abandonado, com fome e sujeito a maus-tratos, é uma forma de salvar a sua vida e garantir um grande amigo.